12 de fev. de 2016

Personificação da Marca

Publicado no Jornal de Piracicaba em 12/02/2016

No processo de comunicação de marcas, não necessariamente o  que você  pretende comunicar é o que o público-alvo entende. Na verdade, isso é uma máxima que vale para processos de comunicação como um todo.
No momento em que planejamos e decidimos qual a forma, o tom, a linguagem, a frequência e o estilo com que nossa marca quer “falar” com nosso público-alvo, são de fundamental importância que conheçamos com quem estamos falando. Construir uma marca ou iniciar um trabalho de inserção de mercado está relacionado ao envolvimento que esta marca tem com as questões que regem a nossa existência.
As marcas precisam ter uma personalidade própria, um DNA , isto é: ter personalidade. As pessoas só entenderão esta personalidade, interesse em conhecer a marca se  conseguir despertar a atenção do indivíduo.
Como propiciar isso?
Procurando ser interativo, aproximando-se do seu publico, fazer parte da vida dele, ou pelo menos, ele saber quem é você. E gostar de você.
Não, é fácil. Comunicar por comunicar qualquer empresa ou marca faz. Para dar certo precisa mais que comunicar. É preciso informar o conteúdo necessário para que saibam quem você é, e ainda, precisa entender o que fará despertar o interesse do seu público.
Cada marca tem uma personalidade e seu público de interesse diferente, por isso, a forma de interagir varia, e muito. Na opinião de Kotler nosso guru do marketing, quanto mais características humanas, antiga, nova, tradicional, jovem, dinâmica, inovadora, confiável, solidária, conseguirmos associar a uma marca, mais forte e consolidada ela se torna.
Ao elaborarmos uma estratégia de marca para sair do ambiente de competição, prover informação e dialogo, expor os atributos das marcas, tornar fieis consumidores a  personificação da  marca é uma boa opção. Hoje as pessoas querem interagir, dialogar, identificar com os valores, as marcas nasceram para serem amadas.
Personificar uma marca é conferir a ela características humanas, esse é o ponto que se deve buscar para o relacionamento com os clientes. Marcas personificadas não são apenas “objetos adoráveis”; elas são vistas como entidades admiradas e que retornam o amor.
A personificação da marca pode ser vista como uma nova  e  poderosa adaptação de personalidade da marca,  principalmente para o ambiente de mídia social. Marcas personificadas gozam de um status especial entre os membros da geração ”milênio” de jovens adultos e são vistas como personalidades autênticas, atribuído a elas um status de celebridade destacada.  
De qualquer forma, a “Persona da Marca” se destacou na era das mídias sociais, quando a preocupação com relacionamento, conteúdo e transparência ganhou força. No entanto, poucas empresas ampliam sua atuação para torná-la a base da estratégia de relacionamento.
Vale ressaltar a importância, de que esse posicionamento adotado nas mídias sociais gera possibilidades de negócios, confiamos mais em pessoas do que em organizações, fazemos negócios com pessoas que conhecemos e confiamos. Para entender melhor o processo de personificação da marca,  a Associação de Assistência à Criança Deficiente – AACD organização do  terceiro setor, é um excelente  exemplo ganhador do top marketing 2015 .
Hoje  em  dia  estamos todos conectados em uma grande rede de relacionamento, impulsionado pela facilidade de adquirir um celular, para ter  acesso às principais redes sociais. Em 2015 a AACD iniciou uma grande  ação nas redes sociais, criando o  “Aniversário do Bem” onde qualquer pessoa pode criar uma pagina, pedindo doações em vez de presentes para celebrar o aniversário.
O engajamento social foi iniciado pelas personalidades artísticas, o jogador Neymar, a apresentadora Isabella Fiorentino e  a cantora  Sandy. Desde 28 de janeiro de 2015, data da primeira publicação do “Aniversário do Bem”, 34 personalidades aderiram à campanha, nomes como Victor e Leo, Daniel, Zezé Di Camargo, Neymar, Sabrina Sato, Danilo Gentilli, ajudaram a AACD a atingir um dos objetivos que era ampliar sua atuação nas redes sociais, dialogar com geração conectada e posicionar sua marca, mostrando seu DNA ao mesmo tempo em que conseguiu recursos financeiros.
Os resultados e a somatória dos posts rendeu mais de  745 mil curtidas, 25 mil comentários e 13 mil compartilhamentos. Outro destaque foi a quantidade de pessoas impactadas no Facebook, cerca de  185 milhões.
No Twitter, as publicações puderam ser acompanhadas por mais de 51 milhões de perfis. Um ponto importante ao realizar esse tipo de  campanha é  procurar associar a personalidade artística a causa social.

O forte da estratégia de personificação da marca adotada, concentra-se no elo entre a geração do milênio e seus  smartphones, tablets e laptops. Vale a pena refletirmos em nossas  organizações,  se estamos utilizando apenas as formas tradicionais de construção de marcas, elas passaram do seu  prazo de validade, ao passo que  a mídia social abre novas possibilidades.

3 comentários: